O Estado conseguiu captar mais de mil milhões de euros em dívida pública dos particulares através dos certificados do tesouro e de certificados de aforro, conseguindo mesmo mais 813 milhões de euros do que na sua última estimativa.

De acordo com o boletim mensal da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública ¿ IGCP, Portugal tinha no final de 2013 captados 10.132 milhões de euros em certificados de aforro, mais 463 milhões de euros que no final de 2012.

Em certificados do tesouro, o Estado terminou 2013 com 2.026 milhões de euros das poupanças dos particulares, mais 610 milhões face ao valor com que tinha começado o ano.

No final de 2013, o Estado conseguiu captar um total de 12.158 milhões de euros com estes dois instrumentos, mais 813 do que o que esperava para o final do ano, de acordo com as estimativas incluídas no relatório que acompanhou a proposta de Orçamento do Estado para 2014, apresentada a 15 de outubro.

O maior aumento surgiu nos certificados do tesouro, que o Estado previa que aumentasse apenas 60 milhões de euros, mas acabou por encaixar mais 610 milhões de euros, devido especialmente às mudanças operadas nestes certificados.