Os estagiários inseridos em programa financiados pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional estão sujeitos ao horário e regime de faltas dos restantes trabalhadores, pagam impostos e Segurança Social e aos olhos do INE são população empregada. Mas também trabalham 12 meses seguidos e não têm direito a férias pagas, escreve o Jornal de Negócios.

A duração do período de estágio aumentou de 9 para 12 meses no ano passado, mas o legislador não introduziu o direito a férias, à semelhança do que já aconteceu no passado. O valor líquido da bolsa também foi encolhendo, devido aos impostos e contribuições. Um licenciado ,que tem direito ao valor máximo, recebe entre 650 e 700 euros líquidos, incluindo subsídio de refeição.