O número de dormidas na hotelaria atingiu os 5,3 milhões em julho deste ano, mais 3,8% em termos homólogos, assim como os proveitos totais subiram 6,7%, face ao mesmo mês do ano anterior, divulgou hoje o INE.

De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), os principais mercados emissores foram o dos EUA (+24,1%), seguido pela Irlanda (+10,5%), Alemanha (+9,9%), França (+9,9%) e Reino Unido (+8,7%).

A hotelaria registou em julho 1,6 milhões de hóspedes e 5,3 milhões de dormidas (+3,3% de hóspedes e +3,8% de dormidas que em julho de 2012), observando-se, no entanto, «um abrandamento das dormidas face à evolução homóloga dos dois últimos meses», cita a Lusa.

Verificou-se uma redução nas dormidas de residentes, que contribuíram com 1,6 milhões de dormidas, menos 1,3% em termos homólogos, um resultado que «interrompeu o observado nos dois meses anteriores».

Já no caso dos não residentes, o INE destaca o aumento de 6% nas dormidas que totalizaram 3,7 milhões, uma subida no entanto menor que a do mês anterior. Em termos acumulados, de janeiro a julho, registou-se um aumento de 7,9%.

De janeiro a julho de 2013, os estabelecimentos hoteleiros alojaram 8 milhões de hóspedes, correspondentes a mais de 3,5%, tendo originado 22,9 milhões de dormidas (+4,9%).

Entre as diversas tipologias, o INE destaca as pousadas com um aumento de 12,9% das dormidas em julho, seguidas pelos hotéis, com uma subida de 7,4%.

«Nestes, verificou-se o contributo positivo de todas as categorias, com relevo para os hotéis de 5 estrelas (+16,8%). Refira-se que a oferta destes estabelecimentos também aumentou de forma significativa (+11,9% de camas disponíveis em hotéis de 5 estrelas)», refere o instituto.

Pelo contrário, acrescenta, os apartamentos turísticos registaram ligeira redução no número de dormidas.

Em termos acumulados, os resultados «foram maioritariamente positivos, nomeadamente nos aldeamentos e nos apartamentos turísticos», com aumentos de 9,7% e 7,4%, respetivamente.

Por sua vez, os proveitos totais na hotelaria atingiram 252,7 milhões de euros e os de aposento 186,4 milhões, mais 6,7% e 7,3%, respetivamente, variações contudo inferiores às observadas em junho, (+10,7% e +12,2%).

«Os resultados do mês de julho apresentaram-se ligeiramente mais favoráveis que os acumulados nos sete primeiros meses do ano (+5,1% nos proveitos totais e +6,9% nos de aposento)», diz o INE.

O INE revela ainda que a taxa de ocupação dos estabelecimentos hoteleiros foi de 56,9% em julho, correspondentes a mais 1,4 pontos percentuais em termos homólogos.