Oito empresas portuguesas inovadoras receberam 1,1 milhões de euros no âmbito do Instrumento Pequenas e Médias Empresas, incluído no Horizonte 2020, o programa europeu de financiamento de investigação e inovação, foi hoje anunciado.

Num comunicado do gabinete do comissário português, Carlos Moedas, responsável pelo programa, informa-se que na última fase se atribuiu 86 milhões de euros em fundos europeus a 236 PME de 31 países, incluindo 1,1 milhões de euros para oito organizações portuguesas.

Nas contas finais, foram apoiadas, até ao momento, 2.116 PME numa alocação de 694,8 milhões de euros de fundos europeus.

As empresas portuguesas mais recentemente beneficiadas operam em áreas como o agroalimentar biológico, crescimento azul, transportes, segurança contra ataques cibernéticos e software informático, lê-se no comunicado.

As premiadas

Na lista está, por exemplo, uma PME de Évora que pretende criar aditivos antivegetativos para tintas marinhas e uma organização de Cantanhede que opera no diagnóstico molecular in vitro.

Das oito empresas selecionadas, sete integram a fase 1, respeitante a estudos de viabilidade de transpor ideias para o mercado, enquanto o projeto Blue Iodine II, de uma empresa do Funchal, foi selecionado para a Fase 2, que se concentra nas atividades de inovação e planos de negócios e atribuiu 800 mil euros.

O projeto português da etapa 2 trabalha no objetivo de produzir iodo a partir de algas marinhas, de forma eficiente em termos de custos, para suprir carências nomeadamente em crianças, mulheres grávidas ou a amamentar e idosos.

Desde o seu início, o Programa Horizonte 2020 já financiou em Portugal 39 PME's (37 de Fase 1 e duas de Fase 2).