De acordo com o fabricante alemão, não se trata de um erro, mas sim de uma característica técnica dos veículos que está pendente de aprovação por parte das autoridades do país.

Concretamente, a companhia refere-se a um dispositivo auxiliar “em relação com o processo de certificação do motor TDi de quatro cilindros e dois litros para os carros de 2016.” - diz a empresa.

Jeannine Ginivan, porta-voz da Volkswagen, disse que o problema com os novos motores diesel para 2016, conhecido como um dispositivo de controlo de emissões auxiliar, foi revelado pela primeira vez na semana passada à Agência Ambiental dos EUA (EPA) e da Califórnia (CARB). Agora, tanto a agência federal EPA como a californiana CARB têm que certificar este dispositivo.

“Este dispositivo baseia-se numa estratégia de aquecimento que está pendente de aprovação pelas agências” . “As agências estão neste momento a avaliar esta situação e a Volkswagen está a submeter informações adicionais.” - disse Ginivan

A agência Associated Press escreveu a 7 de Outubro que a EPA e a CARB estariam a investigar “o propósito” de haver software adicional nos novos modelos Volkswagen.

"Os reguladores ainda não determinaram se o código é um dispositivo instalado especificamente para que os carros passem nos testes", disse Janet McCabe, um administrador da EPA para a qualidade do ar.   

“Temos uma longa lista de questões sobre este assunto para a Volkswagen responder”, disse na terça-feira passada. Acrescentou ainda que “ apesar de estarem a receber respostas por parte da marca, estas ainda não são suficientes”.

O assunto está a gerar polémica. A Volkswagen continua a trabalhar com as autoridades norte-americanas para conseguir a certificação necessária para vender os motores diesel para 2016.