O secretário de Estado do Orçamento, Hélder Reis, demonstrou esta quinta-feira a a convicção do Governo de que a retoma económica está perto e que os progressos nas finanças públicas justificam os sacrifícios exigidos aos portugueses.

«Nestes últimos meses os indicadores económicos têm vindo a alinhar-se no sentido de reforçar a convicção de que a retoma económica está aí, o que permite olhar para o futuro com mais otimismo e esperança», afirmou o governante durante o primeiro dia de debate na especialidade da proposta de lei do Orçamento do estado para 2014 (OE2014), no Parlamento.

O governante defendeu os méritos do programa da troika (Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu), afirmando que foram conseguidos progressos «importantes» em vários domínios, no quais destaca a «melhoria significativa e reconhecida das finanças públicas» cujos progressos, diz, «não tornam infundados os sacrifícios que têm vindo a ser pedidos aos portugueses».

Hélder Reis voltou a reforçar a mensagem que a equipa ministerial das Finanças em especial, tem vindo a passar desde a apresentação do documento: «O Governo tem presente que as medidas propostas são exigentes e difíceis, neste sentido procurou desde logo assegurar que as medidas são equitativas, nomeadamente que os portugueses com menos rendimentos são protegidos, e contribuição de todos os setores».

Para o Governo, este «é o orçamento que permite a Portugal e aos portugueses aspirar a um futuro mais próspero».