José Maria Ricciardi, o presidente executivo do Haitong, foi premiado como um dos banqueiros, neste caso o da Europa, pela revista britânica World Finance.

A revista justifica a decisão pela capacidade que Ricciardi revelou de “levar em frente e fomentar o crescimento de um dos bancos com mais visão de futuro na Europa”.

Para a World Finance, o banqueiro foi uma peça fundamental para a aquisição BESI – antigo Banco Espírito Santo de Investimento, do qual era presidente antes da derrocada do grupo Espírito Santo – pela Haitong Securities, um dos mais antigos banco de investimento e de valores mobiliários da China.

As duas empresas fundiram-se em setembro do ano passado tendo como única ambição criar um banco de investimento a líder mundial.

“Sem a sua experiência no leme, o Haitong não teria a dimensão financeira que tem hoje, e que prepara para reforçar nas regões da EMEA  (Europa, Médio Oriente e África), Índia e Américas”, conclui o comunicado no site da revista onde pode consultar a lista nos outros premiados.

Esta é a segunda vez que o primo de Ricardo Salgado recebe este prémio. A primeira foi em 2013 por ter passado “a maior parte da sua carreira na instituição fundada pela sua família e hoje integra a administração executiva de várias das suas subsidiárias".

Em Portugal, Ricciardi foi um dos ex-gestores do BES que o Banco de Portugal condenou num âmbito de um processo de contraordenação que visava 15 arguidos.

Salgado foi considerado culpado de cinco ilícitos, incluindo atos danosos de gestão ruinosa, por ter ordenado a falsificação das contas da Espírito International, e a venda da dívida da empresa aos balcões do BES, à revelia de outros administradores.

Com Salgado neste esquema estavam o seu braço direito e antigo administrador financeiro, Amílcar Morais Pires, também ele condenado a uma multa de 600 mil euros e a um afastamento de três anos do setor financeiro, e José Manuel Espírito Santo Silva, multado em 525 mil euros e impedido de exercer funções na banca por um período de dois anos.

O Banco de Portugal remeteu as conclusões do processo ao Ministério Público, a quem cabe agora decidir se há ou não matéria criminal.

O Banking Awards premeia os gestores que no sector financeiro em todo o mundo, se destacaram pela seu trabalho ao longo do último ano.