As rendas das casas deverão ficar estagnadas pelo segundo ano consecutivo, por causa da baixa inflação, avança a imprensa económica.

Se a inflação média seguir a tendência dos últimos meses neste mês de agosto, cerca de 700 mil rendas deverão ter um aumento mínimo ou marginal de apenas 0,2 por cento.

Na prática, os senhorios deverão deixar os valores praticamente inalterados face aos atuais.

Por exemplo, caso o índice de preços no consumidor sem habitação mantenha uma variação média de 0,06 por cento, uma renda de 500 euros terá um aumento de apenas 30 cêntimos no próximo ano.

O coeficiente de atualização das rendas, aplicado anualmente, resulta da variação média do índice de preços do consumidores, sem habitação, nos últimos 12 meses e para os quais existam valores disponíveis a 31 de agosto.

O número é apurado pelo Instituto Nacional de Estatística e só será conhecido em setembro.