O presidente da Fosun, o multimilionário chinês Guo Guangchang, terá sido detido pela polícia no âmbito de uma investigação relacionada com acusações de corrupção e manipulação de ações, segundo relatos dos media chineses.

O empresário de 48 anos, normalmente descrito como o Warren Buffet chinês, estava incontactável desde as 12:00, desconhecendo-se o seu paradeiro, segundo a revista económica Caixin, citada pela agência noticiosa financeira Bloomberg.

Os media chineses dão conta de que Guo foi levado pela polícia no aeroporto de Xangai, de acordo com testemunhos que foram partilhados nas redes sociais, indica a página da Internet da China Money Network.

Nascido na província de Zhenjiang, Guo fundou o grupo Fosun em 1992. O conglomerado controla atualmente, a nível internacional, inúmeras empresas do setor farmacêutico, imobiliário, retalho, aço, minas, seguros e fundos de investimento, incluindo a seguradora Fidelidade e Luz Saúde (antiga Espírito Santo Saúde) em Portugal.

Em anos mais recentes, a Fosun adotou uma estratégia agressiva de aquisições fora de portas, adquirindo participações na gigante espanhola Osborne e no operador turístico francês Club Méditerranée, e comprando a seguradora global Ironshore.

Na lista Forbes dos homens mais ricos da China Guo aparece em 11º lugar, com um valor líquido de 6,9 mil milhões de dólares (5,3 mil milhões de euros).

Têm surgido igualmente notícias que envolvem Guo na campanha anticorrupção que o governo tem levado a cabo nos últimos dois anos.

Em agosto, o nome de Guo surgiu associado a um caso de corrupção envolvendo ao antigo diretor-geral da Shanghai Friendship Group Incorporated Company, Wang Zongnan, embora a Fosun tenha garantido, num comunicado oficial, que o grupo nunca fez negócios irregulares com o Shanghai Friendship Group.