Os trabalhadores da Soflusa confirmaram  na quarta-feira a decisão de fazer greve de 13 a 15 de janeiro, em protesto contra as alterações dos horários dos funcionários que atracam e desatracam os barcos da ligação Lisboa-Barreiro.

No final do plenário dos trabalhadores da empresa, que decorreu esta tarde, Frederico Pereira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) disse à agência Lusa que foi decidido «manter a greve anunciada para os dias 13,14 e 15 de janeiro», cita a Lusa.

O plenário «limitou-se a confirmar aquilo que já tinha decidido dia 26, ou seja, que quanto aos horários vai confirmar da legalidade, e pensa-se que alguns terão aspetos ilegais» e, se assim for, será feita queixa à Autoridade das Condições de Trabalho, avançou o sindicalista.

Segundo Frederico Pereira, que assistiu à reunião, «a empresa desde 26 [de dezembro], data do último plenário não deu qualquer indicação à comissão de trabalhadores do que iria fazer sobre os horários dos auxiliares de terra».

Por isso, os trabalhadores aguardam que «a empresa diga qualquer coisa» depois de não terem aceite o horário que lhes foi proposto.

Os atuais sete trabalhadores responsáveis por atracar e desatracar os barcos que fazem aquela ligação no rio Tejo e que, segundo Frederico Pereira, deviam ser 10, querem manter o sistema de rotatividade entre Barreiro e Lisboa, enquanto a empresa propõe que passem a desenvolver a sua tarefa somente em Lisboa.

Os auxiliares de terra querem ainda que o quadro de pessoal seja completo com os três trabalhores que faltam de modo a ser adequado para responder às necessidades da empresa nos dois locais.

Contactada pela agência Lusa, a Soflusa escusou-se a comentar esta situação.

Os trabalhadores tinham avisado que as ligações entre as duas margens do Tejo ficariam suspensas entre as 13:25 e as 16:20, no sentido Barreiro - Terreiro do Paço (Lisboa), e entre as 13:25 e as 16:50, no sentido Terreiro do Paço - Barreiro.

A Soflusa é uma empresa do grupo Transtejo que faz a ligação entre o Barreiro e Lisboa.

A empresa Transtejo é responsável pelas restantes ligações entre as duas margens do rio Tejo.