Os trabalhadores da TAP vão ter uma palavra a dizer nas decisões estratégicas para o futuro da empresa. Vão participar num conselho consultivo,  segundo uma nota que os nove sindicatos que desconvocaram a greve enviaram aos seus associados. A paralisação para outras três associações sindicais arrancou este sábado, e dura até segunda, mas também estes disseram que iam cumprir a requisição civil. Este sábado, os voos estão a decorrer sem problemas.

Sob o título «Presente e Futuro», lê-se no documento a que a agência Lusa teve acesso, que os sindicatos conseguiram garantir os direitos dos seus associados, e que o acordo com o Governo foi «um ato de responsabilidade e de salvaguarda do futuro».

«Desde o início, que todos os sindicatos acordaram/concordaram (…) que havia um cenário em que teríamos que garantir os direitos daqueles que representamos». «Esse deve ser o objetivo primordial de qualquer sindicato responsável»


As negociações com o Governo permitiram salvaguardar direitos nos acordos de empresa (conteúdo e validade), despedimentos coletivos, subcontratação ou externalização ilimitada das atividades do grupo, seguros e fundos de pensões, proteção das antiguidades, garantia da manutenção da sede e da base operacional (HUB), em território Português e salvaguarda da marca, TAP PORTUGAL, enumeram os sindicatos.

«Em paralelo, ficou definido que até 31 de janeiro de 2015, os sindicatos e o conselho de administração da TAP, com a orientação do Governo, resolverão todas as disputas interpretativas em curso no domínio dos Acordos de Empresa, de todas as empresas do grupo»


Os sindicatos nacionais dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC), do Pessoal do Voo da Aviação Civil (SNPVAC) e o do Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) mantiveram pré-avisos de greve, depois de os restantes nove sindicatos (dos 12 que em conjunto tinham apresentado pré-avisos de greve) terem anunciado, na quarta-feira, a desconvocação da paralisação.

Os três sindicatos afirmaram que acatariam a requisição civil decretada pelo Governo e na sexta-feira, o SINTAP e o SITAVA reforçaram a decisão, apelando aos funcionários da TAP que se apresentem ao serviço durante o período de greve, sendo que o SITAVA aguarda ainda pela decisão do tribunal sobre o pedido de impugnação da requisição civil decretada pelo Governo.

Este sábado, primeiro dia da paralisação, não houve até agora qualquer voo cancelado. Está tudo a funcionar normalmente, como previu ontem a companhia aérea.

A decisão de relançar a privatização da companhia aérea, suspensa em dezembro de 2012, acendeu uma onda de contestação que culminou com a marcação desta greve por uma plataforma que juntou 12 sindicatos, à qual o Governo respondeu com a imposição de uma requisição civil aos trabalhadores da TAP, para minimizar o impacto da paralisação sobretudo a pensar nas famílias que se encontram no Natal.