O Governo não vai decretar requisição civil para a greve dos pilotos da TAP marcada para o início de maio, entre os dias 1 e 10. A informação foi confirmada esta quinta-feira à tarde pelo ministro da Economia, Pires de Lima. 

Em dezembro, quando esteve marcada outra greve, o Governo decretou a requisição civil, mas a greve foi desconvocada. Agora, o Executivo entende não haver os mesmos fundamentos que permitam a mesma ferramenta legal.
 
O tema não foi discutido esta quinta-feira no Conselho de Ministros e Pires de Lima confirma agora que o instrumento não vai ser usado. Resta ainda esperança ao Governo que os pilotos desconvoquem a greve, mas o sindicato já veio dizer que 90% dos pilotos tencionam aderir

A direção do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil acusa mesmo o Governo e a TAP de procurarem "desesperadamente fabricar e fomentar cisões imaginárias no seio dos pilotos com o propósito de os demover da defesa dos seus legítimos interesses estratégicos".

Agora apenas serão obrigados a voar os pilotos necessários para assegurar os serviços mínimos que vierem a ser definidos.
 
Para isso, está já marcada uma reunião do Conselho Económico e Social para a próxima segunda-feira. Se aí não houver acordo, a decisão caberá a um tribunal arbitral.