O Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC) considera apresentar queixa no tribunal de trabalho contra a SATA. O porta-voz do sindicato, Filipe Rocha, disse que a empresa açoriana prejudicou 15 trabalhadores por alterarem as suas condições sindicais, avança a agência Lusa.

Quando os trabalhadores mudaram de sindicato « a empresa entendeu que havia condições para regredir as carreiras quando as regras do acordo da empresa e até a lei geral não permite que se retirem valores já pagos».

Esta é uma questão que está a ser tratada judicialmente e o SINTAC vai «apresentar queixa contra a empresa no Tribunal de Trabalho porque a empresa agiu contra a lei retirando valores aos trabalhadores que já tinha pago e a lei é clara não permitindo isso». Filipe Rocha garantiu que o sindicato «vai lutar pela validade do acordo da empresa» e alega não aceitar "documentos ilegais nem subversões da contratação coletiva".

«Há também valores relacionados com o trabalho extraordinário que não foram pagos e por isso decorre também uma greve até 31 de dezembro que não vamos desconvocar até que seja revista a posição da empresa», disse o responsável sindical.

A quinta greve convocada pelo SINTAC para a SATA começou no dia 18 e termina a 28 de junho.