“Todos os colaboradores da Securitas em Portugal, incluindo os vigilantes afetos ao serviço nos Aeroportos do Porto, Funchal e Porto Santo, auferem a remuneração relativa ao trabalho suplementar e feriados, de acordo com o estipulado na legislação em vigor”, garantiu à Lusa a empresa.

A Securitas respondeu assim às acusações feitas terça-feira pelos trabalhadores que sábado vão fazer greve contra o que dizem ser uma recusa da empresa em pagar trabalho suplementar e feriados de acordo com o contrato coletivo de trabalho [CCT] em vigor.