A greve dos controladores de tráfego aéreo, que terminou às 09:00, teve uma adesão de 100% e causou alguns atrasos e cancelamentos de voos, disseram à Lusa fontes da comissão de trabalhadores e da TAP.

Uma fonte da transportadora aérea portuguesa disse à Lusa que devido à greve dos controladores aéreos - cujo primeiro período decorreu entre as 07:00 e as 09:00 - 50 voos tiveram de ser reajustados.

Aeroporto de Lisboa cancela 25 voos por causa da paralisação

«Tal como previsto e anunciado na terça-feira, dos 251 voos previstos, 50 tiveram de ser reajustados. Na maioria dos casos, foram antecipados ou atrasados em relação ao horário previsto, sendo os cancelamentos pontuais», disse a fonte da TAP.

A paralisação decorrerá em dois períodos de duas horas cada um: entre as 07:00 e as 09:00 e entre as 14:00 e as 16:00.

A Lusa tentou falar com a empresa gestora dos aeroportos, mas não foi possível até ao momento.

No entanto, de acordo com o site da ANA Aeroportos de Portugal, 25 voos, com partida e chegada ao Aeroporto Internacional de Lisboa, foram cancelados: 11 chegadas e 14 voos de partida de Lisboa, alguns dos quais com destino a países que se encontram igualmente em greve parcial, nomeadamente França, Alemanha, e Itália.

A greve dos controladores aéreos teve, de acordo com o porta-voz da comissão dos trabalhadores da NAV Portugal, Carlos Valdrez, uma adesão de 100%.

«É uma greve total, mas existem serviços mínimos para emergências médicas e para voos do Estado», adiantou Carlos Valdrez, realçando que a greve «vai ter algum impacto a nível do tráfego».

Carlos Valdrez explicou que esta greve se enquadra num conjunto de ações a nível europeu contra a «quebra dos compromissos da Comissão Europeia relativamente às propostas entregues pelos trabalhadores no que diz respeito ao projeto Céu Único Europeu».

Portugal integra a jornada de luta europeia contra decisão da Comissão Europeia de abandonar as negociações relativas à iniciativa do Céu Único Europeu 2+, que visa aprofundar a liberalização e desregulação do espaço aéreo.

Para hoje estão confirmadas também greves parciais em França, Alemanha, Áustria, Itália, Eslováquia, Hungria e Chipre.