A greve desta sexta-feira na Carris limitou a oferta a 30% dos serviços programados até às 07:30, tendo circulado apenas 149 veículos dos 496 previstos, disse à Lusa a porta-voz da empresa de transportes de Lisboa.

«Às 7:30 de hoje, a Carris garantiu 30% da oferta de serviços, apesar da greve convocada por uma organização sindical, estando os serviços mínimos decretados pelo colégio arbitral a ser integralmente cumpridos», disse à Lusa Isa Lopes.


Segundo a responsável, dos 496 veículos programados para o serviço público «circulavam às 7:30 de hoje 149 viaturas, o que representa 30% da oferta».

A porta-voz da Transportes de Lisboa (que engloba a Carris, Metro e grupo Transtejo) revelou ainda que a rede de ascensores e o elevador de Santa Justa não tiveram quaisquer problemas, tendo o serviço sido cumprido a 100%.

Os trabalhadores da rodoviária Carris cumprem hoje uma greve de 24 horas contra a subconcessão da empresa, atualmente em concurso público, paralisação que teve início cerca das 22:00 na rede da madrugada.

Em causa está, segundo o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (Sitra), «a privatização acelerada que o Governo quer fazer dos transportes na região de Lisboa e na região do Porto, afastando totalmente as autarquias, que são parte interessadíssima neste problema».

De acordo com a Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans), a greve está a ter uma adesão superior a 80%, enquanto o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA) revela que a greve de hoje na Carris está a registar uma adesão que ronda os 70 por cento.