«Pretendem pôr os trabalhadores a fazerem horários de escravidão, sendo possível ir até às 60 horas semanais, e há outros atropelos, prepotências e arrogâncias que o patronato tem vindo a exercer nestes dias»