A greve dos trabalhadores da administração pública registou até às 00:00 desta sexta-feira uma adesão entre os 70% e os 100% na recolha de lixo e nos hospitais, disse à agência Lusa a coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila.

De acordo com a coordenadora da Frente Comum, a greve da administração pública, que começou na quinta-feira com os bombeiros municipais de Lisboa e prosseguiu depois com os hospitais, já é uma demonstração e resposta inequívoca de uma postura de grande descontentamento com o que se está a passar.

«É sabido que o Governo se prepara para, através do Orçamento do Estado, empobrecer as famílias com cortes imorais nos salários dos trabalhadores da função pública com aumentos de impostos, aumentos na ADSE e nos horários de trabalho. Os trabalhadores souberam interpretar e deram uma resposta», contou.

Do balanço feito até às 00:30 estavam encerrados os serviços de recolha de resíduos sólidos urbanos de Évora, Loures, Setúbal, Almada, Palmela, Funchal, Amadora, Braga, Moita, Viana do Castelo registando noutras zonas do país adesões superiores a 60% e 70 por cento.

Em Lisboa (garagem dos Olivais), os serviços de recolha de lixo registaram 65% de adesão, enquanto no concelho de Vila Nova de Famalicão, situou-se nos 73% para o lixo e nos 100% para a limpeza de ruas.

De acordo com os dados da Frente Comum, os serviços de bombeiros registaram uma adesão na ordem dos 100%, estando alguns destes serviços apenas a funcionar em serviços mínimos.

No setor da saúde e no que diz respeito aos enfermeiros, por exemplo no hospital de Santa Marta, em Lisboa, a adesão é de 90% e no Hospital de Lamego 80%, segundo dados da Frente Comum.

Na zona norte do país, o Hospital de Santo António, no Porto, registou uma adesão de 90%, o Hospital Santos Silva, em Vila Nova de Gaia, 83%, o Hospital padre Américo, Penafiel, 60% e o Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto 70%.

Quanto à zona centro, a adesão é de 100%, no Centro Hospitalar de Aveiro, Hospital de Santa Maria da Feira, Hospital de São João da Madeira e Hospital de Águeda.

Na zona sul, a adesão à greve é de 95% no Hospital Amadora Sintra, no Hospital dos Capuchos 79%, no Hospital D. Estefânia 80%, no Hospital S. Francisco Xavier 75%, no Hospital de S. José 80%, no Hospital de Santa Maria 90%, no Hospital de Serpa, no Hospital de Beja, Maternidade Alfredo da Costa e urgência hospitalar Cova da Beira cem por cento.