A TAP prevê realizar 70% dos cerca de 300 voos programados para hoje, sétimo dia de greve dos pilotos, disse à agência Lusa uma fonte da transportadora aérea portuguesa.

“O balanço é semelhante aos dias anteriores, ou seja, o rácio entre os voos realizados e cancelados permite manter a atividade da companhia na ordem percentual dos dias anteriores: cerca de 70% de voos”, disse à agência Lusa a porta-voz da TAP, Lúcia Cavaleiro, cerca das 08:30.


A mesma fonte remeteu para o final da manhã números sobre o sétimo dia de paralisação dos pilotos da TAP.

Na quarta-feira à noite, o ministro da Economia anunciou que nos primeiros seis dias de greve dos pilotos da TAP realizaram-se 70% dos voos programados e foram transportadas 80% das pessoas com viagens marcadas para aqueles dias.

António Pires de Lima falava aos jornalistas no Ministério da Economia, num ponto da situação da greve dos pilotos da TAP, que começou na sexta-feira e termina no domingo.

Segundo o ministro, em cinco dias de greve a empresa teve um “prejuízo de 17 milhões de euros”.

Pires de Lima estimou que, a manter-se a situação, o prejuízo final chegue aos 35 milhões de euros.

O governante renovou o apelo aos pilotos para continuarem a trabalhar, de modo a permitir à TAP manter os níveis de operação dos últimos dias, apesar da greve.

Os pilotos convocaram uma greve, para o período entre 01 e 10 de maio, por considerarem que o Governo não está a cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro, estabelecido em 1999, que lhes dava direito a uma participação de até 20 por cento no capital da empresa no âmbito da privatização.

Nos dez dias de greve, deverão ser afetados cerca de 3.000 voos e 300 mil passageiros.