O Metropolitano de Lisboa vai encerrar esta terça-feira às 23:15 devido à greve que decorre na quarta-feira, informou a empresa.

De acordo com a mesma fonte, a circulação no metropolitano estará suspensa entre as 23:15 de hoje e as 06:30 de quinta-feira.

Devido à paralisação, a rodoviária Carris vai reforçar o número de autocarros nos trajetos servidos pelas carreiras 726 (Sapadores-Pontinha), 736 (Cais do Sodré-Odivelas), 744 (Marquês de Pombal-Moscavide) e 746 (Marquês de Pombal-Estação da Damaia), que coincidem com eixos servidos pelo metro, acrescentou.

A greve, convocada por várias organizações sindicais, nomeadamente a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), foca-se sobretudo nos problemas do setor da Exploração Operacional do Metro, que inclui os maquinistas.

«Esta greve tem uma particularidade - é essencialmente contra a degradação das condições de vida e de trabalho dos trabalhadores de uma área específica, que é a área operacional, e portanto contra a redução do número de trabalhadores, contra a falta de operacionais que acabam por provocar dias inteiros com supressões de comboios e com paragens de circulação», disse hoje a sindicalista Anabela Carvalheira, citada pela Lusa.

Numa nota acerca da greve de quarta-feira, a Fectrans considera que «os trabalhadores da Exploração Operacional estão agora – mais do que nunca - confrontados com a prepotência da sua direção, depois de várias tentativas para chegar a alguns entendimentos, nomeadamente com reuniões em junho, sobre horários, folgas, férias, tempo extraordinário não pago, supressão de postos de trabalho, segurança».

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa convocaram ainda uma outra greve para a próxima segunda-feira, «em defesa do serviço público da empresa» e pela «resolução dos diversos problemas sociolaborais existentes».