A circulação ferroviária já está normalizada em todo o país, apesar de alguns cancelamentos até ao início da manhã, resultado da greve na CP que terminou às 24:00 de segunda-feira, disse à Lusa a porta-voz da empresa.

«Até às 8:00 da manhã de hoje só foram suprimidos três comboios urbanos em Lisboa e um regional, ainda efeitos da greve»


De acordo com Ana Portela, dos 261 comboios previstos para circularem até às 8:00 de hoje, só quatro é que não estiveram ao serviço.

A greve convocada pelo Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial e Itinerante (SFRCI) para reclamar o cumprimento da decisão dos tribunais relativa ao pagamento dos complementos nos subsídios desde 1996, teve uma percentagem de viagens anuladas de 80 e os 90% na quinta e na sexta-feira, enquanto na segunda cumpriu-se a «expectativa de 90% de supressões a nível nacional», segundo o sindicato.

Fonte sindical revelou à Lusa a «adesão total» dos associados do SFRCI, que inclui os funcionários das bilheteiras e os revisores, embora tenha havido «poucos» funcionários não sindicalizados a trabalhar durante o dia de segunda-feira.

O presidente do SFRCI, Luís Bravo, explicou à Lusa que a CP foi condenada, em várias instâncias, a restituir os complementos que não foram pagos aos trabalhadores no subsídio de férias desde 1996 e no subsídio de Natal entre 1996 e 2003, estimando uma dívida de cerca de dez milhões de euros aos revisores e trabalhadores das bilheteiras.

Além dos revisores, a circulação dos comboios da CP no fim de semana de Páscoa foi afetada pela greve ao trabalho em dia feriado do Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF).

A contestação não vai parar por aqui. Há nova greve agendada, e que abrange todo o setor ferroviário, para o próximo dia 16 de abril