O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, pediu esta quarta-feira a França para desempenhar «um papel preponderante, de garante» do crescimento na Europa, após um encontro em Paris com o Presidente francês, François Hollande.

«Precisamos de um novo acordo na Europa para o regresso do crescimento e o reforço do emprego e da coesão social. E, nesse esforço, precisamos que a França tenha um papel de garante, de protagonista desta mudança política», disse Tsipras à imprensa.


O primeiro-ministro frisou que a Grécia «não é uma ameaça à Europa» e que as suas propostas «são realistas» e podem conduzir a «um acordo viável».

«A estabilidade da União Europeia implica uma mudança de política económica, uma viragem no sentido do crescimento», disse Tsipras, que hoje de manhã se reuniu em Bruxelas com os presidentes das três instituições europeias (Parlamento, Comissão e Conselho).


François Hollande sublinhou por seu lado a importância de «dois princípios» – «a solidariedade», entre dois países que integram a mesma zona monetária, e «o respeito», pelo voto do povo grego, mas também pelas «regras europeias impostas a todos, incluindo a França».

O Presidente francês referiu igualmente «o respeito pelos compromissos que foram assumidos», sugerindo que não é favorável a uma anulação da dívida grega (320 mil milhões de euros, 177% do PIB).

No domingo, o ministro das Finanças francês, Michel Sapin, numa entrevista divulgada horas antes de se reunir com o homólogo grego, Yanis Varoufakis, rejeitou um perdão da dívida grega, mas admitiu uma renegociação: «Negociar, adiar ou aliviar” mas nunca “cancelar», disse Sapin.

Grécia: Tsipras sugere plano de reformas de quatro anos