“Há uma garantia de um corte da dívida, que ocorrerá depois da primeira avaliação, designadamente em novembro".






“Se não tiver uma maioria no Parlamento, serei forçado a ir a eleições".

"Se não ocorrerem em Setembro, ocorrem em Outubro, e serão resultado de uma análise mais geral a todos os desenvolvimentos e não apenas ao Governo do Syriza".