O primeiro-ministro português afirmou esta sexta-feira esperar que o Governo grego encontre «medidas que possam oferecer garantias» e que a União Europeia e o Eurogrupo «mantenham uma posição construtiva» para que haja um «fecho favorável do programa».

Numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, que recebeu esta sexta-feira na residência oficial de São Bento, em Lisboa, Pedro Passos Coelho referiu que os dois não discutiram «em particular a situação na Grécia», mas considerou que se trata de «uma situação delicada» e que isso importa à zona euro e à União Europeia no seu conjunto.

«Eu espero sinceramente que, dentro daquilo que ficou acordado com o Eurogrupo, seja possível ao Governo grego fechar o acordo que existia entre a União Europeia, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Grécia de uma forma favorável», acrescentou, observando: «Não tem sido fácil, mas não creio que ajude fazer comentários laterais a essas negociações».

O chefe do executivo PSD/CDS-PP afirmou esperar «sinceramente que a Grécia possa, no respeito pelos compromissos que estavam assumidos, encontrar um conjunto de medidas que possam oferecer garantias sobre o fecho favorável do programa», e que «a União Europeia e o Eurogrupo mantenham uma posição construtiva que ajude a que essa solução seja encontrada».

«Mas, dito isto, não creio que as minhas afirmações possam representar nem mais nem menos do que aquilo que se deseja para qualquer país membro: que não atrapalhe e que deseje que as negociações possam correr bem, que é o que todos desejamos», concluiu.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, disse não ter nada a acrescentar às palavras de Pedro Passos Coelho.