A agência de notação financeira Fitch cortou esta segunda-feira a sua nota dos quatro principais bancos gregos para “incumprimento restrito”, depois de o governo ter ordenado o seu encerramento por uma semana e estabelecido controlo de capitais.

O incumprimento restrito, no jargão desta agência de rating, significa que uma entidade passou por uma recente falta de pagamento de um empréstimo, juros ou outra obrigação financeira concreta, mas sem ter entrado ainda na falência e, portanto, cessado a atividade.

No comunicado em que anunciou a decisão, a Fitch adiantou que o controlo de capitais, incluindo as restrições aos levantamentos bancários, representa um incumprimento restrito, porque “afetam uma parte relevante das obrigações principais” dos bancos.

Esta segunda-feira, também a agência de notação financeira Standard and Poor’s desceu hoje a nota da Grécia para ‘CCC-‘, dentro do nível de "lixo", considerando que a decisão da Atenas de convocar um referendo é um mau sinal para a estabilidade económica” do país.

Esta segunda-feira, fonte oficial do governo grego revelou que a Grécia não vai pagar a parcela de 1,6 mil milhões de euros de empréstimo ao Fundo Monetário Internacional (FMI). O deadline para o pagamento termina às 23:00 (hora de Lisboa).  

Alexis Tsipras, o primeiro-ministro grego, rejeitou na sexta-feira as propostas dos credores, que incluíam cortes na pensões e aumentos de impostos, e surpreendeu ao convocar um referendo a 5 de julho, para perguntar aos gregos se aceitam ou não as propostas.