O índice PSI20 fechou ligeiramente acima da linha de água, não conseguindo aguentar a subida de 1% que chegou a alcançar durante a sessão deste segunda-feira. A Bolsa de Lisboa ficou abaixo da generalidade das praças financeiras europeias, que se mostraram animadas com a reabertura dos bancos gregos após três semanas e com as notícias de que o governo de Atenas estava a reembolsar os credores internacionais. A Bolsa de Milão subiu 1,12% e Madrid ganhou 0,68%, sendo as bolsas europeias em maior destaque.

Em Lisboa, a EDP acabou por ter o comportamento mais positivo entre os títulos de maior peso no índice, com as ações da elétrica a subirem 0,91%, para 3,650 euros. As ações com maiores ganhos foram a Mota-Engil (subida de 2,75%, para 2,688 euros) e Altri (subida de 2,05%, para 4,026 euros).

A NOS pesou no índice, com uma queda de 0,6%, para 7,465 euros, enquanto o Millennium BCP recuou 0,12%, para 0,0819 euros.

O BPI perdeu 2,14%, para 1,095 euros, a sofrer ainda com a divulgação de uma análise feita a semana passada pelo Citi, que reduziu o preço-alvo do BPI para 1,20 euros, face ao antigo preço-alvo de 1,55 euros. Este novo preço-alvo está mesmo assim 9,6% acima do preço de fecho desta segunda-feira.

A Galp encerrou inalterada, nos 10,91 euros, no dia em que se soube que a petrolífera foi uma das empresas pré-qualificadas num leilão de 10 blocos terrestres em Angola.

Os juros da dívida pública recuaram 5 pontos base, como consequência da normalização da situação na Grécia. As obrigações do tesouro a dez anos negociavam com taxas de 2,595%, naquele que é o valor mais baixo desde o final de maio.