O Presidente da República recusou esta segunda-feira especular sobre o Orçamento de Estado para 2015, a apresentar na quarta-feira, dizendo que todos, incluindo o Governo, gostariam de impostos mais baixos mas é preciso não esquecer as restrições internacionais.


Sobretaxa do IRS mantém-se em 3,5%, mas pode haver reembolso

Segundo o Presidente da República «tem-se falado muito da carga fiscal», que «toda a gente sabe» ser «excessiva», não esquecendo, no entanto, «as restrições que Portugal enfrenta em resultado de compromissos assumidos internacionalmente».

«Quem não gosta de impostos mais baixos? Não só as famílias. Os políticos gostam de baixar os impostos, estou convencido que o Governo ficaria muito satisfeito por poder disponibilizar uma descida de impostos para os portugueses», sublinhou, citado pela Lusa.

No final da segunda jornada do «Roteiro para uma Economia Dinâmica», em Vale de Cambra, Cavaco Silva foi questionado pelos jornalistas sobre aquilo que tem vindo a público relativamente ao Orçamento do Estado para 2015 (OE2015), considerando que é preciso "aguardar" porque não quer «especular» uma vez que se vai encontrar com o primeiro-ministro «precisamente no dia em que o Orçamento irá entrar na Assembleia da República», ou seja, quarta-feira.

O chefe de Estado sublinhou ainda a «grande responsabilidade» dos deputados sobre a versão final porque espera uma «melhoria» do documento resultante da «luz» da discussão.

«A iniciativa do Orçamento pertence ao Governo mas a sua aprovação pertence à Assembleia da República, pertence aos senhores deputados. É por isso grande a responsabilidade dos nossos deputados na elaboração da versão final do Orçamento do Estado. Com certeza que da discussão sairá - nós esperamos - mais luz no sentido de melhoria do orçamento que vai ser apresentado», enfatizou.