O Governo justificou esta quinta-feira a reabertura do processo de privatização da TAP com a necessidade de injeção de capital na empresa e argumentando que é importante o Estado deixar de ser responsável pelo seu passivo.

Em conferência de imprensa, no final da reunião do Conselho de Ministros, o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, afirmou que o executivo PSD/CDS-PP não tem como objetivo principal obter um encaixe financeiro com este processo, e não mencionou valores nem prazos para a sua conclusão.

«Para nós, verdadeiramente importante é que o investidor privado assuma a responsabilidade relativamente ao passivo financeiro da TAP, que no seu grupo é de cerca de mil milhões de euros. Já é, do ponto de vista do objetivo, algo de muito importante para todos os contribuintes, para todos os portugueses, que o Estado deixe de ter responsabilidades relativamente ao passivo financeiro da companhia aérea, que, se tivesse algum problema no futuro, recaía certamente sobre o Estado», declarou Sérgio Monteiro, citado pela Lusa.