O ministro da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar-Branco, afirmou esta terça-feira que a aprovação do Tribunal de Contas do contrato para a construção de dois navios-patrulha oceânicos em Viana do Castelo vai possibilitar gerar mais emprego.

“A construção de mais dois navios patrulha oceânicos em Viana do Castelo é a expressão da manutenção da construção naval em Viana do Castelo, como nós sempre dissemos, e mais importante, vai possibilitar ainda criar mais emprego, porque vai gerar mais emprego”, afirmou o ministro em declarações à Lusa.


O Tribunal de Contas aprovou o contrato para a construção de dois navios-patrulha oceânicos (NPO) no valor de 77 milhões de euros, adjudicado aos estaleiros navais ‘West Sea’, informou o ministro.

A entrega dos NPO acontecerá até 2018, acrescentou.

Aguiar-Branco defendeu ainda “esta decisão do Tribunal de Contas é uma resposta a todos aqueles que tentaram denegrir esta decisão, inclusivamente invocando-a como sendo uma decisão que não tinha uma lógica de legalidade”.

Em junho, a Marinha foi autorizada a adquirir os dois navios-patrulha "por negociação", e não por concurso, face à “urgência imperiosa” de dispor das embarcações até ao ano 2018, empreitada ganha no final de julho pelo consórcio liderado pela Martifer.

Na altura foi dito que o contrato adjudicado aos estaleiros navais West Sea, detidos a 100% pela Martifer, em consórcio com a Edisoft, teria ainda de passar pelo crivo do Tribunal de Contas.

Estes navios integravam uma encomenda inicial de oito, que foi assumida em 2004 pelo Ministério da Defesa, para substituir a frota de corvetas da Marinha portuguesa com 40 anos de serviço, mas revogada em 2011 pelo atual Governo.

A construção dos dois NPO nos estaleiros da West Sea foi anunciada pelo primeiro-ministro, em maio passado.