O ministro da Economia, António Pires de Lima, afirmou esta terça-feira que 2014 «está a ser» o ano da retoma do investimento em Portugal e destacou que investidores alemães estão a apostar no mercado português.

Pires de Lima falava aos jornalistas à margem da conferência «60 anos de conetividade», organizada pela Câmara do Comércio e Indústria Luso-Alemã (CCILA), que decorre hoje no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa.

Questionado sobre se 2014 é o ano da verdadeira retoma do investimento, o ministro disse: «Está a ser, já não vale apena só acreditar».

Pires de Lima recordou que no último trimestre do ano passado fez várias visitas à Alemanha, onde manteve contactos com vários responsáveis do país.

«Revelei nessa altura que em 2014 veríamos investidores alemães a apostarem em Portugal. É o que está a acontecer, o mais emblemático é seguramente o da Volkswagen Autoeuropa, mas há outros investidores alemães, empresas que já cá estão, outras que estão a conhecer Portugal, que estão a investir» no país, acrescentou.

No primeiro trimestre, o investimento «cresceu, pela primeira vez em muitos anos, 12%, muito mais que as projeções económicas» que tinham sido feitas, sublinhou.

Pires de Lima destacou as características «muito especiais» do investimento alemão, considerando que este devem ser «acarinhadas», e especificou que é um investimento de «longo prazo», muitas vezes «associado à indústria» e «criador de emprego qualificado».

O governante lembrou que os salários médios pagos pelas empresas alemãs em Portugal são altos, referindo que «apostam numa cultura de compromisso social, geralmente «não fazem greves» e «existe uma grande disponibilidade e motivação por parte dos trabalhadores para cumprirem os objetivos».

A conferência da CCILA, que comemora os 60 anos de existência da câmara de comércio, contará com os Presidentes português, Aníbal Cavaco Silva, e da República Federal da Alemanha, Joachim Gauck.

«É bom termos agora cá empresários alemães a constatarem esta viragem que Portugal está a conhecer e a estudarem investimentos adicionais», comentou o governante, que reiterou que «Portugal precisa muito de investimento».

«Há seguramente muitas outras oportunidades de investimento que resultam destes contactos a propósito da vinda a Portugal do Presidente alemão que vão ter consequências na nossa economia. Não é imediato, não é automático, mas investindo em 2014 teremos mais condições para em 2015 e 2016 vermos a nossa economia a crescer e o desemprego a descer», sublinhou.

O governante disse ainda, citando a sua «experiência prática» que quando «as administrações dão o exemplo, se preocupam com as pessoas e as envolvem na gestão, é mais fácil chegar a acordos, ter trabalhadores motivados e produtivos».

Pires de Lima lembrou que nas empresas do setor privado português «as manifestações e greves não têm sido a nota».

«Acho que há um Portugal imenso que está a puxar por esta viragem económica e está ajudar Portugal a crescer», disse, reconhecendo que há greves na Administração Pública, área que atravessa um «momento difícil».

O ministro da Economia esteve reunido com os presidentes da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e a Associação Federal da Indústria Alemã (BDI).