Clientes lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES) estiveram de manhã nas agências do Novo Banco em Espinho, Cortegaça, Esmoriz e Santa Maria da Feira para, na presença da PSP, serem identificados funcionários que acusam de “burla qualificada”.

“As identificações do gerente, subgerente, gestor de conta e diretora regional foram feitas e agora teremos que formalizar nas esquadras a queixa-crime por burla qualificada”, afirmou José Nunes, um dos clientes lesados e membro da Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial (AIEPC), à saída do balcão de Santa Maria da Feira.

Após várias manifestações frente a agências do Novo Banco (antigo Banco Espírito Santo – BES) em todo o país, que nalguns casos culminaram na invasão dos balcões, os lesados do papel comercial do GES iniciaram a 21 de maio uma nova estratégia de protesto que prevê a apresentação de queixas-crime “contra todas as pessoas que participaram na venda fraudulenta de papel comercial”, nomeadamente os gerentes, subgerentes e gestores de conta dos antigos balcões do BES.