A partir das 9:00 a comissão de inquérito ao BES vai ouvir o presidente da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, Carlos Tavares.

É esperada uma nova troca de acusações sobre quem falhou na regulação ao Banco Espírito Santo e sobre quem deve ressarcir os clientes lesados pelo papel comercial do Grupo Espirito Santo.

A CMVM defende que é o novo banco quem deve compensar os lesados.

Já o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, volta a ser ouvido a partir das 15:00, uma audição onde vai estar presente a associação dos indignados e enganados do papel comercial, para entregar uma carta ao responsável, apelando a uma «resolução do problema» dos clientes do papel comercial vendido aos balcões do BES.

O banco central considera que é o «banco mau» que deve pagar aos investidores não qualificados.