A Associação de Defesa dos Clientes Bancários (ABESD) solicitou para esta manhã uma «reunião urgente» à entidade reguladora do mercado suíço sobre o papel comercial vendido nos balcões em Portugal do Banque Privée Espírito Santo, cujo agendamento ainda aguarda.

«Segundo informações obtidas, a FINMA irá responder a este pedido de reunião, contudo ainda não foi possível confirmar a disponibilidade para receber hoje os representantes da ABESD», refere a associação em comunicado.

O objetivo do encontro, adianta, é «apresentar institucionalmente a associação e quem a compõe, rever os dados públicos sobre a situação que levaram ao colapso do grupo BES/GES (Banco Espírito Santo/Grupo Espírito Santo), ver a forma de os associados reaverem os seus investimentos e avaliar uma estratégia para que não existam mais perdas futuras no sistema bancário que atinjam os clientes não qualificados».


«A ABESD reitera e recorda que o Banco Privée Espírito Santo (BPES) era uma entidade bancária do universo do Grupo Espírito Santo [GES], que detinha balcões em Portugal, tendo realizado a venda de papel comercial e de outros produtos financeiros de forma irregular», sustenta a associação, salientando que «o BPES, face à sua presença geográfica em Portugal, era também uma entidade sobre a supervisão do Banco de Portugal».

Criada em julho de 2014 na sequência do incumprimento do grupo BES/GES em retornar os investimentos realizados pelos clientes, a ABESD conta atualmente com 110 associados descritos como «clientes não qualificados» no universo bancário do grupo Espírito Santo.

O antigo líder do BES, Ricardo Salgado, esteve a ser ouvido hoje pela Finma, o supervisor dos mercados financeiros suíço.