O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou hoje que a carta de intenções enviada pelo Governo português «vai ser divulgada depois da reunião da administração» da organização, tal como tem acontecido nas avaliações anteriores.

«É um procedimento padrão para os programas do FMI, não há nada fora do comum aqui. Como é prática comum, vai ser divulgada depois da reunião da administração [do FMI]», afirmou Gerry Rice, porta-voz da instituição liderada por Christine Lagarde, hoje em conferência de imprensa.

O PS exigiu na quarta-feira que o Governo revele o conteúdo da carta de intenções que vai enviar aos credores internacionais para concluir a 12.ª avaliação regular ao programa de resgate até às eleições (a 25 de maio) e, de preferência, no dia 17 de maio, data que o executivo aponta para a conclusão do programa de resgate financeiro a Portugal.

Também na quarta-feira, o primeiro-ministro garantiu, em Braga, que a carta de intenções que o Governo vai enviar à troika «não tem» novos compromissos e disse esperar que o PS encontre uma «forma limpa» de fazer campanha sem «aterrorizar» os portugueses.

«Creio que é possível a todos os partidos disputarem as eleições sem usarem os portugueses e a incerteza sobre o futuro para ganhar votos. Espero que o PS encontre uma forma limpa de fazer a campanha eleitoral», disse, quando confrontado com a insatisfação do PS sobre o facto de o Governo não ter ainda revelado o conteúdo da carta que vai enviar ao FMI, a propósito da última avaliação incluída no programa de assistência externa.

O Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) deverá terminar a 17 de maio, embora as autoridades portuguesas tenham pedido a extensão por mais seis semanas do período do programa, até ao final de junho, por motivos técnicos das instituições que compõem a troika.

De acordo com o calendário do board (administração) do Fundo, já são conhecidas as ordens de trabalhos das reuniões que se vão realizar até ao dia 16 de maio, as quais não incluem a aprovação da última avaliação regular ao programa de resgate de Portugal.