O número de portugueses que planeia gozar férias fora de casa nas festividades deste ano diminuiu seis pontos percentuais em relação a 2016, mas a intenção é gastar mais no Natal e fim-de-ano, de acordo com o Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT).

Numa avaliação das intenções de férias, com base em 411 respostas a um inquérito online, o IPDT concluiu que 37% dos inquiridos pretende fazer férias fora de casa no próximo Natal/Fim de Ano contra os 43% que manifestou a mesma intenção em 2016.

Segundo os dados divulgados, a maioria goza o tempo livre em território nacional (57%) e 34% dos portugueses diz ir para o estrangeiro, ou seja mais 13 pontos percentuais que em 2016. Na lista de destinos preferidos estão “destinos europeus de proximidade, nomeadamente a Espanha”.

Dos inquiridos que vão gozar férias em destinos nacionais, fora da sua residência, as preferências vão para o Porto e Norte de Portugal e para o Centro (64%)”, lê-se no estudo, que mostra que a principal motivação na escolha do destino é a “visita a familiares e amigos (40%)”.

A duração da estada deve rondar as 3,8 noites contra as 3,49 noites do ano passado.

Cada turista nacional deverá gastar, em média, 270 euros, a que corresponde um gasto por noite e turista de 70 euros, face aos 209 euros e 58 euros de 2016.

A tendência é gozar férias num grupo de duas ou três pessoas.

Uma “maior propensão para viajar para fora este ano provoca um aumento nos gastos e na estada média”, lê-se no documento elaborado através de um questionário e em parceria com o operador turístico Soltrópico.

O IPDT foi criado em 2003 em Portugal, inspirado no projeto WHATT (World Hospitality and Tourism Trends) do Reino Unido.