Voltará a ser uma segunda-feira em que os combustíveis vão pesar mais no bolso dos portugueses. Ao que apurou o TVI24, o aumento deverá ser de 1,5 cêntimos por litro, no caso do gasóleo, e de 1 cêntimo por litro na gasolina.

A subida de preços continua a ser um reflexo do aumento do valor da matéria-prima nos mercados internacionais. O preço a que está, genericamente, o preço do barril do petróleo a cotar é determinante para esta variação, porque também dita o preço de referência – aquele que serve de base ao cálculo do valor final que o cliente paga. 

Em relação à gasolina a custo do petróleo pesa 29,1% para o cálculo do preço de referência. No caso do gasóleo, 33,9%.

A tensão internacional entre os vários blocos e, sobretudo, depois do ataque dos Estados Unidos a uma base militar na Síria, está a provocar pressão sobre o preço do crude. Receios que tornam difícil manter o preço do barril de crude entre os 50 e os 51 dólares, como esperavam os analistas, após  o acordo entre países exportadores, para travarem oferta e estabilizarem preços. Em Londres, o barril de Brent, que serve de referência às importações portuguesas continua a cotar quase nos 56 dólares.

A outra grande fatia, a maior, na constituição do preço em Portugal, são impostos. O peso do ISP e outros impostos são o maior contributo para constituição do preço de referência (42,9% gasóleo e 51% gasolina).