O consumo de combustíveis inverteu a tendência de recuperação do final de 2013 e voltou a cair no primeiro trimestre deste ano, período em que houve uma diminuição do preço, resultante da queda das cotações dos produtos petrolíferos.

De acordo com o relatório da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro), verificaram-se ligeiras quedas nas gasolinas e no gasóleo até março em relação ao período homólogo, de 1,2% e 0,1%, respetivamente.

Em relação ao trimestre anterior, quer as gasolinas, quer o gasóleo, registaram quebras acentuadas (de 7,4% e 8%), de acordo com o relatório hoje divulgado.

Já o GPL Auto apresentou valores positivos face ao trimestre homólogo, mas uma tendência de decréscimo em relação ao trimestre anterior.

Em relação ao preço, em termos médios, assistiu-se no primeiro trimestre a uma diminuição das cotações e, consequentemente, do preço dos combustíveis quando comparados com o trimestre homólogo e com o trimestre anterior, com a gasolina a ter uma ligeira subida face ao trimestre anterior, seguindo a tendência da cotação.

A Apetro nota que o elemento com maior peso no preço final de venda ao público dos combustíveis continua a ser a carga fiscal, que, em 2014, sofreu um novo aumento, devido à subida da Contribuição do Serviço Rodoviário.

Os preços médios antes de impostos foram em Portugal inferiores aos de Espanha, situação inversa à que se verifica nos preços médios de venda ao público, devido à maior carga fiscal em Portugal.

A evolução do mercado dos produtos petrolíferos no primeiro trimestre de 2014 é elaborada com base na informação disponível na Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) até fevereiro e fazendo uma estimativa para o mês de março.