A previsão confirma-se. É mais um avanço no preço dos combustíveis. Ao que a TVI24 apurou, e caso se mantenha a tendência desta sexta-feira, o litro de gasolina e de gasóleo deve crescer um cêntimo, cada, na madrugada desta segunda-feira. A décima semana de subidas.

E se é verdade que a matéria-prima empurra o valor para cima, não é menos verdade que, nos dois casos, a carga fiscal ronda dos 50%. Numa semana em que o primeiro-ministro, António Costa, disse que não vai mexer nos impostos que pesam sobre o que pagamos - ISP e IVA.

Esta sexta-feira, o Brent, que serve de referência às importações portuguesas estava a negociar em torno dos 78 dólares por barril, abaixo dos cerca de 80 dólares a que já chegou (máximos de 2014), depois de a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e a Rússia colocarem a hipótese e por darem uma folga ao travão que tinham colocado na oferta [para pressionar os preços em baixa]. 

A medida tem como objetivo contrabalançar quaisquer reduções nas ofertas por parte do Irão, perante as sanções dos Estados Unidos, e da Venezuela, que passa por uma crise. 

Em Portugal, a matéria-prima [crude já tratado para chegar à bomba] e os impostos, são o que mais pesa na constituição do preço de referência, aquele que serve de base às gasolineiras para fazerem o preço que nos cobram quando vamos abastecer. Esta semana, no espaço da Economia 24, o consultor, Marco Silva, falou do tema, e perspetivou mais aumentos, se a situação internacional se mantiver.

No caso hipotético, mas menos hipotético que há uns meses, do crude chegar aos 100 dólares o barril, a gasolina, ultrapassará os dois euros por litro e o gasóleo estará acima de 1,7 euros por litro [se pensarmos que, em média, um depósito de combustível são 40 litros, na gasolina chegará ao 80 euros atestar]. Estamos a falar de quase o dobro do que pagamos hoje.

CONSTITUIÇÃO DO PREÇO DE REFERÊNCIA