O presidente da Administração do Porto de Sines (APS) afirmou hoje que a chegada do primeiro carregamento de gás natural liquefeito norte-americano representa “a abertura de portas a um novo mercado” e confirma a competitividade daquele porto.

"O Porto de Sines considera que o carregamento de um navio de gás natural com origem nos Estados Unidos representa a abertura de portas a um novo mercado e vem confirmar a importância estratégica, geográfica e a competitividade deste porto no mercado internacional”, afirmou João Franco, à Lusa.

Na terça-feira, a Galp Energia recebeu, no Porto de Sines, o primeiro carregamento de gás natural liquefeito (GNL) norte-americano destinado à Europa.

O presidente da APS disse que o Terminal de Gás Natural (TGN) “representa a principal fonte nacional de abastecimento deste produto e tem uma enorme importância estratégica nacional, já que se constitui como alternativa ao gasoduto terrestre".

O TGN do Porto de Sines iniciou a sua atividade em 2003, é operado em regime de concessão pela REN Atlântico e movimenta hoje mais de 50% do Gás Natural consumido em Portugal, segundo o responsável.

Hoje, também a propósito da chegada ao Porto de Sines do primeiro carregamento de gás natural liquefeito norte-americano, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, considerou “positiva para a Europa” a “diversificação” de fontes de abastecimento energético.

A Europa procura reduzir a dependência energética em relação às exportações de Moscovo, após a crise do gás russo e ucraniano, que começou no ano 2000.