O presidente executivo da Galp foi constituído arguido por alegadas viagens pagas pela petrolífera aos jogos da seleção portuguesa em França no Euro2016, sendo o sétimo arguido constituído no âmbito deste processo, noticia o Jornal de Negócios.

Segundo a edição de hoje deste jornal, além da constituição de Carlos Gomes da Silva como arguido, confirmada pela Procuradoria-geral da República (PGR), também foi constituído arguido o administrador com os pelouros das novas energias e serviços corporativos, Carlos Costa Pina.

A investigação das viagens pagas pela Galp começou há um ano, no início de agosto do ano passado, depois de a revista Sábado ter avançado que o então secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, tinha viajado em 22 de junho a convite da Galp para a cidade francesa de Lyon, para assistir ao jogo Portugal-Hungria.

Em 31 de julho, o presidente executivo da Galp, Carlos Gomes da Silva, defendeu que "é do interesse de todos o esclarecimento" sobre as viagens pagas pela petrolífera para jogos do Euro2016, reafirmando que a empresa "cumpriu a lei".