O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, procurou retratar-se das declarações que fez, em entrevista à TSF, Diário de Notícias e Jornal de Notícias, em que assumiu ser habitual os governantes não poderem decidir sobre "uma lista grande de entidades". E foi mais Ainda mais longe ao dizer que a Galp é só "mais uma". 

Sem revelar nomes da dita lista, ou se ela existe, Rocha Andrade disse que "é quase absurdo que exista essa polémica [em torno das declarações do próprio]. Toda a gente que chega ao Governo vem de algum lado. E desse algum lado, das suas relações familiares, das ocupações profissionais, cívicas, tem um conjunto de situações em que não deve decidir. Por exemplo, se o meu pai reclamar relativamente a uma questão fiscal é evidente não vou ser eu a decidir, nem qualquer membro deste Governo ou de outro [em relação aos eus familiares]. O mecanismo de escusa é bastante frequente".

A polémica da escusa do secretário de Estado, de decidir sobre questões relativas à Galp, surgiu a propósito de um convite feito pela empresa para assistir ao Europeu de Futebol em França.