A Bolsa de Lisboa não escapou ao nervosismo que se viveu em todos os mercados financeiros europeus em torno do evoluir da situação na Grécia. O índice PSI-20, que é a principal referência da Euronext Lisboa, caiu 2,24%, enquanto a Bolsa de Milão foi a mais penalizada, com uma queda de 2,97%. Paris recuou 2,27%, Madrid perdeu 1,84%, Frankfurt deslizou 1,96% enquanto que Londres caiu 1,58%.

As perdas acentuaram-se da parte da tarde, após mais a reunião do Eurogrupo ter terminado sem quaisquer avanços sobre o futuro imediato da Grécia na Zona Euro.

A queda da Galp teve um peso decisivo para o mau dia do PSI-20. A petrolífera perdeu 3,4%, para 9,792 euros. O banco Société Générale (SG) cortou a recomendação da Galp para 'Hold' (a recomendação anterior era 'Buy'), realçando que terminou a forte valorização que a empresa vinha registando face aos pares este ano. A SG alerta para os riscos que a Galp pode enfrentar no Brasil e desceu o preço-alvo da Galp de 11,9 euros para 11,5 euros.

Os pesos-pesados Millennium BCP (recuou 2,8% para 0,0700 euros) e Jerónimo Martins (caiu 2,2% para 10,905 euros) tiveram também influência decisiva na queda do PSI-20.

As ações da Teixeira Duarte (TD) destacaram-se pela forte subida em contraciclo com o mercado, tendo subido 2,8%, para 0,521 euros, na sequência da atribuição ao consórcio da empresa de uma obra rodoviária na Argélia no valor de 218 milhões de euros. À TD cabe uma fatia de 164 milhões de euros. Durante a sessão, as ações da TD chegaram a disparar 10,5%.

No mercado secundário de dívida pública, a calma da manhã durou mais tempo, com a taxa de juro implícita das obrigações portuguesas a 10 anos a manter-se estável, em 3,15%, recuando apenas três pontos-base em relação à sessão anterior.