O presidente executivo da Galp Energia, Carlos Gomes da Silva, afirmou esta sexta-feira que a intenção do Governo de criar descontos nos combustíveis para as transportadoras de mercadorias é "um tema sensível", que levanta questões de concorrência.

"Pode até suscitar ter que ser visto na concorrência ao nível europeu. É um tema sério e preocupante", defendeu o presidente da Galp, em conferência de imprensa para divulgação dos resultados da petrolífera no primeiro trimestre.

O Governo vai criar descontos para as transportadoras de mercadorias em postos de gasolina em três zonas de fronteira com Espanha - na zona de Elvas, Vilar Formoso e numa terceira zona, a definir, no norte do país - e nas antigas SCUT do interior.

Carlos Gomes da Silva defendeu que "os consumidores não podem ser tratados de forma diferente", referindo que, como qualquer discriminação, "é um tema sensível".

Certamente que o Governo vai ter esse cuidado (...). Tem que se observar se não fere as leis da concorrência", acrescentou o gestor, quando questionado sobre a intenção do Governo de reduzir a carga fiscal nos combustíveis para as transportadoras, aproximando os preços dos praticados nos postos de abastecimento em Espanha.

Em meados de abril, após várias reuniões com as associações representativas das transportadoras, o Governo anunciou a criação de “uma redução significativa” no preço dos combustíveis para transportadores de mercadorias em postos de gasóleo profissional em três zonas do interior: na fronteira com Espanha, na zona de Elvas, Vilar Formoso e numa terceira zona, a definir, no norte do país.

Estas medidas foram apresentadas como “mecanismos da promoção de competitividade das empresas de mercadorias, mas também medidas de promoção do interior”.