Os principais bancos reivindicam a criação de uma comissão de acompanhamento da situação do Novo Banco. Segundo o Jornal de Negócios, a pretensão é criar um órgão formal que permita às instituições que ficaram com o risco financeiro do resgate ao BES irem tendo informação sobre a evolução da situação.

Mas não é tudo: querem ainda pronunciar-se, de forma não vinculativa, sobre algumas decisões mais relevantes e com impactos nos interesses da banca neste processo.

Esta ideia já foi transmitida às autoridades, nomeadamente ao Banco de Portugal. É um reflexo da preocupação com o Novo Banco: os responsáveis defendem que a instituição que ficou com os ativos saudáveis do BES deve ser vendida o mais rapidamente possível.

E pretendem evitar que a instituição seja vendida a um preço muito abaixo dos 4,9 mil milhões de euros que o Fundo de Resolução injetou.

O empréstimo do Fundo foi concedido por CGD, BCP, BPI, Santander Totta, Montepio, Crédito Agrícola, Banco Popular e banco BIC.

Está ainda em aberto a possibilidade do Novo Banco vir a assumir parte dos prejuízos da sua própria venda, mas apenas depois da concretização da transação.