O Banco de Portugal estimou que um cenário de 'falência' do BES teria levado o Fundo de Garantia de Depósitos a gastar entre 9.000 e 18.000 milhões de euros para reembolsar os depósitos cobertos por essa garantia.

Segundo o documento da Comissão Europeia que aprovou a resolução daquele que era o terceiro maior banco a operar em Portugal, o Banco de Portugal estimou que uma resolução não ordenada do BES, como a imediata liquidação ou a bancarrota, iria gerar elevadas perdas que poderiam ascender até ao máximo de 28 mil milhões de euros.

«Também implicaria o desembolso de cerca de 9.000 a 18.000 milhões de euros pelo Fundo de Garantia de Depósitos para reembolsar depósitos cobertos», lê-se no documento hoje conhecido, citado pela Lusa.

O Fundo de Garantia de Depósitos é ativado caso um banco tenha problemas e garante que os depósitos são reembolsados até ao máximo de 100 mil euros por depositante e por instituição. No final de 2013, os recursos próprios do Fundo eram de cerca de 1.400 milhões de euros.

Segundo Bruxelas, que diz que não tem razão para questionar a avaliação feita pelas autoridades portuguesas, a resolução ordenada do BES e a criação de um banco de transição (o Novo Banco) foi «a opção menos onerosa para Portugal».