Cerca de uma centena dos quase 800 funcionários públicos em requalificação cessou o seu vínculo com o Estado, através de rescisão por mútuo acordo, com a maioria a manter-se em inactividade ou licença extraordinária até à idade da reforma.

De acordo com dados divulgados pelo Ministério das Finanças, depois de na segunda-feira ter terminado o prazo para os trabalhadores em requalificação optarem por uma das quatro possibilidades previstas no regime de valorização profissional dos funcionários públicos (sucessor da requalificação), 13% (104 funcionários) optou por deixar o vínculo com o Estado.

A maioria, 58% (450 funcionários) optou pela manutenção da situação jurídica atual até à data legal de reforma ou aposentação, situação prevista no regime excecional criado.