O Ministério das Finanças esclareceu hoje que o que pode criar problemas informáticos é a possibilidade de os funcionários públicos poderem optar por receber ou não o subsídio de Natal em duodécimos.

Fonte oficial do Ministério das Finanças esclareceu à agência Lusa que a opção de os funcionários públicos poderem escolher se querem receber o subsídio de Natal em novembro/dezembro ou por duodécimos ao longo do ano é que poderá causar problemas informáticos.

As Finanças não avançam, contudo, qual será a decisão do Governo sobre esta matéria.

Hoje, a presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), Helena Rodrigues, disse que a objeção apresentada pelo Governo para o regresso ao pagamento por inteiro do subsídio de Natal se prende com “dificuldades técnicas”.

Foi dito pelo Governo que será difícil que em janeiro se deixe de fazer o pagamento em duodécimos (…) porque será complicado fazer a alteração do sistema informáticos numa administração pública que é vasta”, disse Helena Rodrigues aos jornalistas no final da primeira reunião de negociação geral na Função Pública, que decorreu hoje, no Ministério das Finanças.

O STE considera que as “dificuldades técnicas” apresentadas pelo Governo são “uma falsa questão”, uma vez que poderão ser contornadas e irá insistir neste assunto na próxima reunião negocial, que decorrerá na próxima semana.

A estrutura sindical defende que o pagamento por inteiro ou em duodécimos do subsídio de Natal deve ser uma opção do trabalhador.

O subsídio de Natal deixou de ser pago aos funcionários públicos em novembro/dezembro e é desde 2013 pago em duodécimos distribuídos pelos 12 meses do ano.