O diretor da Standard & Poor's para a Europa defende que Portugal deve pedir um segundo resgate. À «TSF», Frank Gill diz ver com preocupação possíveis entraves legais a algumas normas do Orçamento do Estado para o próximo ano.

O responsável entende que um novo programa de assistência financeira facilitaria até o trabalho do Governo e, portanto, considera que essa é uma forte possibilidade.

De acordo com Frank Gill, citado pela «TSF», «a nossa avaliação é que pode muito bem ser esse o caso ou alguma linha [de financiamento] de contingência. O que nos daria uma visão positiva para o rating. Ou um segundo programa, o que também se vê, na verdade, como um fator positivo para o rating. Iria ajudar as autoridades para avançar com as suas reformas bastante ambiciosas».

Sem se referir diretamente às consequências de um potencial chumbo do Tribunal Constitucional a normas do Orçamento do estado, o diretor da S&P para a Europa fala em preocupações legais que dificultam a execução do programa. «A nossa preocupação é que em alguns aspectos parece que vai tornar-se difícil para o governo avançar com diversas propostas orçamentais originais. Em parte por preocupações legais a nível interno», sublinhou.