O presidente da Confederação do Turismo Português (CTP) defendeu hoje junto do primeiro-ministro que o país deve continuar o processo de consolidação orçamental e as reformas estruturais, independentemente da escolha de saída para o programa de assistência financeira.

«Dissemos ao primeiro-ministro que os dois cenários pós-troika [saída limpa ou programa cautelar] têm algumas vantagens e alguns inconvenientes, mas que, de qualquer forma, o Governo deve continuar com a consolidação orçamental e com as reformas estruturais, independentemente da escolha quanto à saída do atual programa de resgate», disse Francisco Calheiros aos jornalistas, no final de um encontro com Passos Coelho.

A CTP disse ainda a Passos Coelho que «o setor do turismo pode e deve ajudar» a melhorar a economia no período pós-troika, mas, para isso, «é necessário criar condições para que o setor continue a crescer».

A Confederação do Turismo esteve reunida com o primeiro-ministro cerca de uma hora e, segundo Francisco Calheiros, o encontro foi dedicado exclusivamente à discussão dos cenários pós-troika.

Perante as insistentes perguntas dos jornalistas sobre um eventual aumento do Salário Mínimo Nacional este ano, Francisco Calheiros considerou que o assunto deve ser debatido em sede de concertação social.

O primeiro-ministro recebeu hoje, ao longo do dia, todos os parceiros sociais para os auscultar sobre os cenários possíveis para o final do programa de assistência financeira.