"Decidimos já no quadro do Programa de Estabilidade submeter à Comissão Europeia e portanto também aos nossos parceiros europeus um novo pedido para uma amortização de toda a restante dívida ao FMI", afirmou Passos Coelho, durante um almoço promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Mexicana, num hotel de Lisboa.






"Estamos a aproveitar as circunstâncias favoráveis para alongar maturidades de dívida suportando custos muito mais baixos que facilitam a sustentabilidade da dívida."








"Estamos a colher os resultados das reformas estruturais que vimos realizando e da credibilidade associada também à capacidade demonstrada para cumprir compromissos. É certo que temos ainda, no plano interno, desequilíbrios para corrigir, de que o desemprego será o caso mais sensível e a necessitar de maior atenção das políticas públicas. Mas, em geral, as perspetivas bastante positivas que hoje enfrentamos anima-nos nesta tarefa de aprofundar e prosseguir um caminho de crescimento e abertura."